Por que eu decidi ir para a faculdade de direito

42 views 19:18 0 Comments 1 de fevereiro de 2023

Olá de novo! Hoje finalmente decidi compartilhar com vocês minha história de por que decidi ir para a faculdade de direito apenas para qualquer aluno de graduação que ainda esteja pensando em se inscrever para essa grande mudança de vida ou para qualquer pessoa que esteja apenas curiosa.

Por que Faculdade de Direito

Minha história de “por que a faculdade de direito” na verdade não é tão boa, então eu odiei tentar trabalhar isso em minha declaração pessoal e ainda espero que ninguém me pergunte sobre isso em uma entrevista porque, sinceramente, eu meio que decidi a faculdade de direito um capricho. Não foi exatamente como um capricho de Legally Blonde “Acho que vou para a faculdade de direito hoje”, mas também definitivamente não sou uma daquelas pessoas que tiveram esse grande momento em minha vida que impactou minha decisão de vir para cá. 

No meu primeiro ano, eu era uma pessoa extrema do tipo A que tinha toda a minha vida planejada. Eu ia me casar aos 21, ser médica aos 26, mãe antes dos 30 e ter meu próprio consultório aos 35… meu plano de vida meio que desmoronou. Percebi que a única razão pela qual estava chateado era porque havia definido todos esses objetivos inatingíveis para mim, então decidi me tornar um tipo de pessoa que segue o fluxo. 

No semestre seguinte, eu estava reclamando com uma amiga sobre a retomada de química e ela me disse que não precisava fazer aquela aula porque ia ser advogada e não havia pré-requisitos para a faculdade de direito (ironicamente ela acabou trocando para pré-medicina). Minha mãe sempre brincou que eu seria uma ótima advogada porque sou muito argumentativa, então comecei a considerar a faculdade de direito um pouco mais a sério.

Entrei para a fraternidade pré-lei Phi Alpha Delta e adorei quando recebemos advogados para falar sobre o que eles realmente fazem. Um dia tivemos um painel de estudantes de direito atuais que vieram conversar conosco e eu me lembro desta 3L falando sobre como ela decidiu fazer faculdade de direito porque é lésbica e um dia decidiu que participar de comícios não era suficiente para ela, então ela decidiu ser advogada para trabalhar por sua causa por dentro. Obviamente, minha história não é tão boa quanto a dela, mas adorei a ideia do verdadeiro poder que advém de ser advogada.

E foi meio isso. Na época em que me inscrevi para as faculdades de direito, tive a sensação de que estava fazendo o que deveria ser com minha vida e que ser advogada era para mim. Dois anos depois, ainda estou seguindo o fluxo e meio que decidi que quero fazer direito empresarial / comercial, mas não tenho absolutamente nenhum motivo, exceto que gosto disso, então por que não. 

Por que continuo na faculdade de direito

Em primeiro lugar, percebi esta semana que existem dois tipos de pessoas na faculdade de direito – as que amam (eu) e as que realmente não gostam. No começo eu apenas pensei que era 3L tendo senioritis e querendo terminar a escola já, mas recentemente eu conheci uma garota que estava explicando porque ela sinceramente não gosta e agora eu percebo que na verdade há muitas pessoas que gostariam desistem, mas querem tanto ser advogados que aguentam 3 anos. Quero dizer, lembre-se de como Nick Miller, da New Girl, abandonou seu 2L ano porque odiava? Eu respeito o compromisso deles de serem advogados e realmente me sinto mal por eles não estarem gostando tanto quanto eu. 

Eu acho que a razão pela qual eu gosto tanto disso e meio que tenho a atitude de que todos deveriam ir para a faculdade de direito é que eu realmente amo o desafio disso. Isso não quer dizer que eu amo a faculdade de direito o tempo todo, porque definitivamente não amo. Alguns dias choro porque estou estressado e outros dias tenho que gritar no travesseiro porque estou muito frustrado. Frustrado com os professores, frustrado com os colegas, frustrado com o autor do casebook, com a opinião da maioria, com a opinião do dissidente, com determinada matéria, com os prazos. É difícil na maioria das vezes, tbh. Pense nisso como a faculdade, exceto que você está estudando para as provas finais durante todo o semestre, em vez de apenas duas semanas, e não há festas de fraternidade para você ir depois de uma semana ruim.

Por outro lado, adoro estar finalmente aprendendo algo novo o tempo todo. Não querendo me gabar, mas na faculdade eu senti que a maior parte do que estava aprendendo era algo que eu poderia descobrir sozinho. Por exemplo, uma vez fiz antropologia e honestamente já sabia a maioria das coisas que aprendemos lendo um artigo sobre o assunto ou assistindo a um episódio da National Geographic. Mas aqui na faculdade de direito, quase tudo que aprendo é novo. 

A autossatisfação que você sente após o desafio de aprender algum conceito difícil é incrível. E adoro que o que estou aprendendo seja aplicável ao mundo real. Quero dizer, honestamente, provavelmente nunca mais usarei o que aprendi na maioria das minhas aulas de graduação, mas posso usar meu conhecimento jurídico o tempo todo! Essa é outra coisa que eu gosto, que a profissão jurídica é aquela em que você está sempre aprendendo. Eu gosto disso porque ainda sou perfeccionista, então estou sempre querendo me aprimorar.

Por fim, adoro o poder que a lei lhe dá. Assim como a garota que visitou minha reunião pré-lei, posso mudar as leis um dia, se quiser, ou tenho a chance de ajudar alguém a ser corrigido por um erro. Outro dia, um homem muito rude em um estacionamento do Walmart se irritou comigo e gritou: “Vou processar você!” (foi realmente sobre nada, não se preocupe) e eu me virei de volta e disse “Ah é? Sob que teoria ??” Se eu não tivesse ido para a faculdade de direito, provavelmente teria chorado quando um homem enorme estava gritando comigo, 5’2, mas não me senti intimidado por ele porque eu sabia melhor. E quando meu antigo senhorio inicialmente não quis me devolver o dinheiro do depósito, Escrevi para ele uma cartinha legal, como aprendi em minha aula de redação jurídica, e o informei sobre os vários estatutos que ele estava violando e, de repente, ele mudou de ideia sobre ficar com meu dinheiro. Novamente, se eu não tivesse feito faculdade de direito, não teria como ter confiança para me defender contra um empresário. 

Pensamentos finais

Sei que minha história não vai exatamente motivar ninguém a vir para a faculdade de direito, mas espero que ajude alguém por aí a não ser dissuadido de vir para cá. Claro que os pais e avós de alguns alunos são advogados e isso é tudo que eles sempre sonharam em ser, mas você não precisa ter esse grande motivo convincente para decidir vir para a faculdade de direito. Às vezes você simplesmente sabe. Então, se você está pronto para um desafio (e não, eu não uso essa palavra levianamente aqui), talvez você acabe amando a faculdade de direito também.

Tags:

Deixe um comentário